URGENTE! Nelma Sarney Costa foi afastada por dois anos das atividades no Tribunal de Justiça do Maranhão

A desembargadora Nelma Celeste Souza Silva Sarney Costa foi afastada por dois anos das atividades no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA). A decisão foi tomada pelo nesta terça-feira, 20, durante a primeira sessão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ela e o juiz Clésio Coelho Cunha foram acusados de favorecer um ex-assessor da magistrada para que fosse aprovado em um concurso de cartorários no estado.

A decisão questionada foi tomada por Clésio, em 2015, quando atuou na condição de substituto da desembargadora, durante as férias dela. O juiz corrigiu e alterou as questões do concurso público, concedendo mais pontos ao ex-assessor, que acabou aprovado e assumiu as funções como tabelião.

Ao voltar das férias, Nelma Sarney Costa confirmou a decisão e a encaminhou ao plenário do TJ-MA, que manteve a liminar. O mesmo aconteceu quando o processo chegou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Para a maioria dos conselheiros do CNJ, a desembargadora foi imprudente ao favorecer o ex-assessor. Já em relação ao juiz, ele foi absolvido das suspeitas de irregularidades, pois não foram encontradas provas de que agiu deliberadamente na decisão tomada.

O processo administrativo disciplinar (PAD) contra a dupla teve início em 2019. A desembargadora, que é cunhada do ex-presidente José Sarney, tentou ser ministra do Superior Tribunal de Justiça, em 2013, mas acabou preterida.

Apesar do afastamento, a desembargadora Nelma Sarney Costa continuará recebendo os salários atuais. Essa é a segunda pena mais grave no âmbito administrativo contra magistrados. A maior é a aposentadoria compulsória, na qual o juiz continua com os salários, mas é afastado em definitivo das atividades. Ela ainda poderá recorrer da decisão.

Fonte: O Bastidor

Iracema Vale enaltece atuação do governador Brandão na segurança pública do estado

A presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, deputada Iracema Vale (PSB), enalteceu, na sessão plenária desta terça-feira (20), a atuação do governador Carlos Brandão (PSB) no que se refere à segurança pública do Estado. A parlamentar destacou o Plano de Reestruturação de Delegacias de Polícia Civil como o maior programa de reconstrução e requalificação de delegacias do Maranhão.

“O governador está recuperando 77 delegacias e já entregou dez. Além disso, há 600 novos policiais militares em curso. Ele está disposto, ainda, dependendo da autorização desta Casa, em nomear 50 delegados, 20 investigadores e dez peritos, o que irá alavancar muito mais o bom trabalho que já está sendo feito em nosso Estado”, afirmou Iracema Vale.

Segundo a parlamentar, a valorização dos profissionais reflete em muitos benefícios para a comunidade.

“As delegacias estão sendo reformadas por meio de um projeto humanizado, tanto para atender a população de forma adequada quanto para proporcionar aos policiais um bom ambiente de trabalho. Parabenizo o governador pela sensibilidade e responsabilidade”, concluiu a chefe do Legislativo maranhense.

‘PEC 42/23 que proíbe candidatura de militares da ativa amputa direito’, diz Ives Gandra

É inconstitucional tirar os direitos políticos das Forças Armadas e das polícias estaduais

A proposta de emenda (PEC 42/23), patrocinada pelo governo Lula, tramita no momento no Senado. Ela foi pensada como uma medida para tentar reduzir a politização das Forças Armadas. “Os militares não são cidadãos de segunda categoria por terem escolhido a carreira das armas”, afirma Ives Gandra Martins em seu parecer ao Senador Mourão.

Consulta-me o senador Hamilton Mourão sobre a PEC 42/23, que pretende eliminar o direito de pleno exercício da cidadania e de direitos políticos de militares das Forças Armadas e das polícias estaduais, alterando cláusula pétrea da Lei Suprema (artigo 60, §4º, inciso IV).

Nesta esteira, segundo o texto inicial da referida PEC, o artigo 14 passaria a dispor nos seguintes termos:
“Art. 14.  (…)

§ 8º Os militares alistáveis dos Estados, do Distrito Federal e dos Territórios são elegíveis, atendidas as seguintes condições:
(…)

§ 8º-A O militar alistável das Forças Armadas é elegível e, no ato do registro da candidatura, fica transferido para a:
I – reserva não remunerada, se não preencher as condições de transferência a pedido para a inatividade remunerada; ou II – reserva remunerada, se preencher as condições de transferência a pedido para a inatividade remunerada.
(…)”

Resposta

Em breve opinião legal, respondo ao ilustre parlamentar minha opinião a respeito.

Todo o Título II da Constituição (artigos 5º a 17) é considerado o mais relevante da Lei Suprema.

É que uma Constituição é destinada ao povo, cabendo aos governantes servirem-no, pois para isto, numa democracia, foram pelo povo escolhidos.

Ora, o referido título é dedicado aos direitos e garantias fundamentais, sendo o disposto no artigo 5º, que enumera grande parte dos direitos individuais, e os artigos 12 a 17 dedicados à nacionalidade e à cidadania (direitos políticos), os que completam o elenco e dimensão do ser social que é o homem, ou seja, como indivíduo e como integrante do meio em que vive e exerce sua cidadania.

Tenho para mim, nada obstante posições doutrinárias contrárias, que também os direitos sociais complementam as garantias fundamentais da pessoa humana (cidadão ou residente), sendo expressão sobrevivencial da espécie, colocando-os, portanto, entre os direitos individuais, aqueles do artigo 6 a 11.

Não sem razão, deu o constituinte ao Título II a denominação de “Dos Direitos e garantias fundamentais”.
Assim sendo, entendo que — e foi esta a posição de Celso Bastos e minha, nos comentários que fizemos pela Saraiva de 1988 a 1998, em 15 volumes e em torno de 10 mil páginas, da Carta da República —, o indivíduo, sua nacionalidade, cidadania e dimensão laboral conformam a integridade de sua personalidade, que ficaria amputada se qualquer destas dimensões lhe fosse tirada.

Nos 20 meses da Constituinte, muitas vezes consultados por constituintes, pelo presidente Ulysses Guimarães e relator Bernardo Cabral, sobre participarmos de audiências publicas, foi o que sentimos dos dois naqueles trabalhos em que parlamentares e especialistas atuaram intensamente.

Na ocasião, decidiram os elaboradores do texto máximo que as duas cláusulas pétreas da Constituição anterior (República e Federação) deveriam ser alargadas, consideravelmente; daí surgindo o artigo 60, §4º da Carta Magna com a seguinte dicção:
Art. 60. A Constituição poderá ser emendada mediante proposta:
§ 4º Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
I – a forma federativa de Estado;
II – o voto direto, secreto, universal e periódico;
III – a separação dos Poderes;
IV – os direitos e garantias individuais.

Entendo até mesmo que o §4º, ao falar em direitos e garantias individuais, isto é, pertencentes a todos os cidadãos, residentes e pessoas no território nacional, que teriam proteção sob determinados aspectos legais, que a imodificabilidade constitucional estender-se-ia além do Título II, sempre que direitos fundamentais de dimensão individual fossem atingidos, como, por exemplo, no tópico do artigo 150, em que se percebe esta extensão, sendo o seguinte o seu discurso:

Art. 150. Sem prejuízo de outras garantias asseguradas ao contribuinte, é vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios: (…).
O certo, todavia, é que os direitos e garantias fundamentais podem ser acrescidos, mas não há possibilidade constitucional de reduzi-los sem que seja ferido drasticamente o direito do indivíduo em uma democracia. É, para mim, cláusula pétrea todos os direitos individuais garantidos pela Lei Suprema, estando entre eles, enquanto houver democracia no país, o direito de poder exercer a cidadania em sua plenitude nos termos da Lei Suprema aprovada em 05/10/1988.

Ora, o § 8º do artigo 14 da Constituição versado está como se segue:
Art. 14. A soberania popular será exercida pelo sufrágio universal e pelo voto direto e secreto, com valor igual para todos, e, nos termos da lei, mediante:
(…)
§ 8º O militar alistável é elegível, atendidas as seguintes condições:
I – se contar menos de dez anos de serviço, deverá afastar-se da atividade;
II – se contar mais de dez anos de serviço, será agregado pela autoridade superior e, se eleito, passará automaticamente, no ato da diplomação, para a inatividade.

É que a cidadania é a dimensão maior do ser gregário, que é o ser humano, pois de poder viver e decidir no ambiente que vive.

Ora, se a simples inscrição para concorrer nas eleições fará o militar perder todos os direitos de sua carreira, inclusive o de remuneração na reserva ou não, se houver pedido para a inatividade, há uma imensa diminuição de direitos da cidadania incompatível com um Estado Democrático de Direito.
PEC é inconstitucional, pois retira direito de cidadãos

Tornar o militar, enquanto na ativa — que exerce função tão relevante, a ponto de o constituinte de 88 ter denominado o Título V dedicado às Forças Armadas, policiais militares e guardas municipais de “Da Defesa Do Estado e das Instituições Democráticas” —, um cidadão amputado na sua ampla cidadania é macular drasticamente o direito maior que os cidadãos tem numa real democracia, razão pela qual entendo que a PEC 42/23 é de manifesta inconstitucionalidade.
O §8º não pode ser modificado, pois garante direito que não pode ser decepado do exercício da cidadania.

Os militares não são cidadãos de segunda categoria por terem escolhido a carreira das armas. Não podem ser desconsiderados pela sociedade como párias inúteis no exercício da cidadania, sem direito de concorrer a cargos públicos para servir o país de outra forma, a não ser com perda de direitos adquiridos em sua carreira militar.

Certa vez, o ministro Francisco Rezek, em audiência na Suprema Corte, ao detector uma manifesta inconstitucionalidade, utilizou-se da seguinte imagem, dizendo que a fumaça do bom direito era tão forte contra a lei impugnada que ele mal conseguia ver os ministros que se encontravam na bancada oposta no plenário físico da instituição.

É como vejo esta PEC que pretende reduzir a nobreza de uma função que os constituintes, no Título V, consideraram relevante para a defesa da pátria e das instituições, tornando os militares cidadãos inexpressivos, de segunda categoria, com restrições ao sagrado direito, num regime democrático, de concorrer às eleições.

Ives Gandra da Silva Martins é professor emérito das universidades Mackenzie, Unip, Unifieo, UniFMU, do Ciee/O Estado de São Paulo, das Escolas de Comando e Estado-Maior do Exército (Eceme), Superior de Guerra (ESG) e da Magistratura do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, professor honorário das Universidades Austral (Argentina), San Martin de Porres (Peru) e Vasili Goldis (Romênia), doutor honoris causa das Universidades de Craiova (Romênia) e das PUCs PR e RS, catedrático da Universidade do Minho (Portugal), presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio-SP e ex-presidente da Academia Paulista de Letras (APL) e do Instituto dos Advog ados de São Paulo (Iasp).

Valdenio Caminha assume desafio de modernizar a Procuradoria Geral do Maranhão

Com uma carreira sólida na advocacia, Valdenio Caminha é a escolha do governador Carlos Brandão como novo chefe da Procuradoria Geral do Estado. Também professor universitário e ex-vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Maranhão (OAB/MA), assume a missão de modernizar e dinamizar o órgão. O anúncio foi feito pelo governador na última quinta-feira (15).

Assumindo a liderança da PGE Maranhão pela segunda vez, o procurador traz consigo vasta experiência no campo do Direito Público. Sua missão principal é direcionada à modernização e informatização da PGE, sem perder de vista a função primordial da instituição de evitar prejuízos econômicos ao Estado e recuperar receitas para impulsionar as políticas públicas do governo.

Valdenio Caminha destaca a importância de um levantamento inicial preciso do atual cenário da PGE para otimizar a aplicação dos recursos tecnológicos.

“Estamos no século 21, na era da inteligência artificial, e precisamos avançar na gestão para tornar mais eficiente nossa prestação de serviço à comunidade maranhense”, ressaltou o procurador-geral.

Além da modernização, a estruturação da Procuradoria é uma prioridade. Para isso, a instituição realizará estudos para viabilizar a realização de um novo concurso para procuradores. A parceria com o Tribunal de Justiça será intensificada para garantir os repasses necessários ao pagamento de precatórios, uma prioridade do governo estadual.

Denilson Cruz, procurador-geral adjunto para Assuntos Estratégicos, enfatizou o comprometimento de todos em contribuir efetivamente com o novo momento.

“A equipe, independente dos cargos, está imbuída do mesmo espírito de colaboração”, destacou. Assim como o procurador-geral, Cruz ressalta a necessidade de avançar, especialmente no campo tecnológico, para equiparar a PGE a outras instituições do Sistema de Justiça.

O procurador-geral adjunto para Assuntos Judiciais, João Víctor Holanda, também integrado à nova equipe, destaca a prioridade de aumentar o acompanhamento das consultorias prestadas pela Procuradoria a outros órgãos.

“É importante nos anteciparmos para evitar que um problema simples se torne uma questão jurídica que afete o Estado”, ressaltou Holanda.

Para auxiliá-lo na nova missão, Valdenio Caminha contará com uma equipe que combina experiência e o ímpeto dos mais jovens.

“Vamos somar esforços e atingir as metas que pretendemos estabelecer”, afirmou o procurador-geral.

Pinga Fogo

Nova Charge da Coluna Pinga Fogo – Bastidores da Política de Paço do Lumiar

***Quem é que foi pedir pepeô pro rato??? O homi que deu sumiço em nos sabugos de milho grande despachou: “num quero!!!”…

***Qual filha de empresário investigado pela PF que #fezacontecer e promoveu uma festa de arromba com direito a picaninha na farofinha e bastante verdinhas geladas??? A jovem era um sorriso só, enquanto o suco de laranja rolava solto na festa. Quem será???

***Quem é o pré que já prometeu a vice pra cinco???

***Falando nisso, que indicação de direção de “Unidade” que está dando o que falar??? E os outros “aliados“??? Serão “lembrados“???

***E Brandones??? O almoço que teve como tira-gosto “rivotril”  foi um tal de “te aquieta“.

***Qual empresário “duro” queria ser “o candidato” de Pindobation, mas ela escolho “o outro”???

***O caldo entornou!!! Qual candidato “da direita” que deu um zignal pra esquerda???

***Quem apresentou conjunto probatório [Fofoquier já sente o cheiro da “vermelhinha”] de quase 600 corrós para financiamento de certa “campanha”???

***Quem é o apreciador de vinhos caros do Grand Cru e de uísques pesados no Araçagy que  tem dado “preciosos conselho” pra o próximo prefeito???

***Quem é o prefeito (?) que esteve visitando a Região Munim neste fds e tomando cerveja escondido acompanhado da PGM??? Já???!!!

***Qual Partido com $ que já “se vendeu”???

***Qual “pré” que durante entrevista em badalada rádio do sistema “NC de Comunicação” mostrou mais uma vez  que está preparada pra comandar a Vila do Lume??? 

***Qual pré a vereador que não queria “soltar o microfone” em entrega de bloquetes com L???

***Qual “açeçor” de CUltura que soltou a franga em festa de cheia de “novinhos”??? Babado, confusão e close… Kkkkkk…

***ÁUDIO-FOFOCA

Fedeu a queijo. Curuuuuuuuuuuuzeeeeeeeeeeessssssssssss…

Caso Moraes: OAB aciona STF contra delegado por expor conversa de advogado

OAB aciona STF contra delegado que atuou no “caso Moraes” em Roma por exposição de conversa entre advogado e cliente.

O Conselho Federal da OAB, e o Colégio de Presidentes das seccionais, apresentaram petição ao STF e à PGR neste domingo, 18, contra o delegado da PF que analisou e expôs de forma ilegal as comunicações entre um advogado e seu cliente.

O caso envolve o inquérito que investiga ataques à família do ministro Alexandre de Moraes em Roma, em julho do ano passado.

Segundo as petições, o delegado Hiroshi de Araújo Sakaki incluiu no processo “transcrições de diálogos, prints de imagens e de documentos concernentes às comunicações entre o cliente e o seu advogado”.

As peças são assinadas pelo presidente nacional da Ordem, Beto Simonetti, pelas diretoras e diretores nacionais, pelas presidentes e pelos presidentes de todas as seccionais, que pedem a responsabilização criminal do delegado em decorrência do cometimento de abuso de autoridade.

A Ordem afirma que a atuação tem como objetivo a defesa das prerrogativas da advocacia, com foco no sigilo das comunicações entre advogado e cliente.

O caso

A alegação é de que o advogado Ralph Tórtima teve suas comunicações com cliente ilegalmente analisadas e expostas por um delegado da Polícia Federal. O homem representado pelo causídico é Roberto Mantovani Filho, acusado de injuriar o filho do ministro Alexandre de Moraes em Roma.

Os diálogos constam no material que analisa os dispositivos do empresário e de seus familiares, apreendidos no inquérito que investiga o episódio ocorrido na Itália. O documento teria reproduzido prints de tela de conversas entre cliente e advogado, em que discutem estratégias de defesa.

Segundo Beto Simonetti, “o episódio contém ofensa grave às prerrogativas da classe e, por isso, a OAB solicitou ao STF e à PGR providências para assegurar o sigilo das comunicações, que é protegido pela Constituição”, afirma Simonetti.

O presidente nacional da Ordem e os demais presidentes solicitam que as conversas ilegalmente analisadas e expostas sejam retiradas do processo e declaradas nulas para fins do processo.

Simonetti explica que “as prerrogativas da advocacia existem para proteger os direitos e garantias dos cidadãos representados pelos advogados”. “É inaceitável regredir à época em que não havia direitos e liberdades fundamentais. Defender a democracia envolve proteger seus pilares, inclusive as prerrogativas da advocacia”, diz o presidente nacional da Ordem.

Fonte: Migalhas

Caso do Fantástico de aluno de medicina que fraudou ENEM se assemelha a de prefeito do interior, que fraudou o vestibular da UEMA; entenda

Os dois tem o mesmo sonho: ser médico. Um conseguiu, O outro conseguirá???

Um caso polêmico que passou no dominical noturno Fantástico de ontem (18), onde o aluno de medicina André Rodrigues Ataíde é suspeito de fraudar o Enem e chegava a cobrar R$ 150 mil para fazer a prova em nome de outras pessoas no PA, segundo a Polícia Federal, relembrou matéria já lançada aqui nesta página.

De acordo com o Fantástico, as investigações apontam que ele [André] usava documentos falsos para fazer provas no lugar de outras pessoas. Com esse esquema, pelo menos dois candidatos teriam conseguido vaga no curso de medicina da UEPA.

Um caso análogo aconteceu no Maranhão, no não tão distante ano de 2008. No caso em tela, quem se envolveu no esquema foi o atual prefeito de Presidente Juscelino, Dr. Pedro Paulo (PL), que é médico e amarga um elevado índice de rejeição e sabe que sua reeleição é algo mais difícil do que ser aprovado no curso de medicina.

Pedro teria, segundo informantes bem posicionados, tentado burlar o vestibular fazendo-o no lugar do cunhado, que tinha o sonho de entrar no CFO. Inteligente que só ele, e isso é incontestável, Pedro teria “tremido na base” e seu comportamento levantou suspeitas, sendo enquadrado pelas autoridades.

Será que o “Dr.” fez escola???

Presidente da Funac fala sobre acolhimento de crianças e adolescentes em conflito com a lei

Sorimar Sabóia, presidente da Funac, foi entrevistada pelos radialistas Henrique Pereira e Álvaro Luiz

O programa ‘Em Discussão’, da Rádio Assembleia (96,9 FM), recebeu, nesta sexta-feira (16), a presidente da Fundação da Criança e do Adolescente (Funac), Sorimar Sabóia. Na entrevista aos radialistas Henrique Pereira e Álvaro Luiz, ela falou sobre o trabalho da instituição no acolhimento de crianças e adolescentes em conflito com a lei.

“Nós temos esse atendimento inicial constante, conforme dita o Estatuto da Criança e do Adolescente, que atende os adolescentes que são apreendidos ou a quem se atribui a autoria de ato infracional na Grande Ilha. Após o ato em flagrante ou pela apreensão da Justiça, ele é encaminhado à Funac, que realiza a identificação da família, presta os primeiros socorros, supre as necessidades de alimentação e higiene e apresenta esse adolescente ao promotor ou ao juiz, que devem decidir se ele será liberado mediante um compromisso da família ou, em virtude da gravidade do ato, cumpra uma medida de internação provisória”, explicou Sorimar Sabóia.

A presidente da Funac disse ainda que a instituição trabalha como um centro integrado, onde funciona desde a delegacia, que faz a apreensão, um núcleo da Defensoria Pública e o Ministério Público, garantindo todos os direitos ao menor infrator, com exceção da liberdade.

“Nesses 45 dias de internação provisória, ele tem uma jornada sociopedagógica do acordar até o pernoitar dele. Então, tudo o que ele vai fazer dentro desse centro é programado com uma equipe. Ele acorda, faz a higiene pessoal, toma o café, após isso ele pode ir para a escola dentro do centro ou fazer alguma prática esportiva. Sendo necessário, ele tem um atendimento especializado com assistente social, pedagogo, advogado e psicólogo. Nós temos toda uma equipe montada para atender e compreender esse adolescente”, afirmou.

Sorimar Sabóia destacou, também, que grande parte dos jovens apreendidos são oriundos de famílias de baixa renda e precisam da intervenção do Estado.

“A socioeducação é uma política pública nacional, que infelizmente ainda é muito invisibilizada pelo preconceito que as pessoas possuem com esse atendimento e isso afeta não somente os adolescentes, mas também os trabalhadores do sistema. Nós trabalhamos principalmente para a sociedade, porque quando mudamos pensamentos, valores e condutas de adolescentes, devolvemos para a sociedade e para a família uma pessoa melhor”, assinalou a presidente da Funac.

Proposta de Silvana Noely altera nome de rua no Centro de São Luís

“Sua influência na sociedade da época, assim como seu empreendedorismo como comerciante, são aspectos que enaltecem sua importância histórica”, justificou Silvana Noely / Leonardo Mendonça

O plenário da Câmara Municipal de São Luís aprovou, na sessão ordinária do dia 7 de fevereiro, o Projeto de Lei nº 290/23, de autoria da vereadora Silvana Noely (Mais Brasil), que dispõe sobre a alteração do nome da Rua Djalma Dutra, no bairro Centro, para Rua Catharina Mina.

A vereadora explicou que a proposta homenageia uma das pessoas mais importantes na luta contra a escravidão no estado do Maranhão.

“A proposta de renomear a Rua Djalma Dutra para Rua Catharina Mina se fundamenta na história marcante e inspiradora de Catharina Rosa Ferreira de Jesus, mais conhecida como Catharina Mina, uma africana liberta que desafiou as amarras do sistema escravista e deixou um legado significativo na sociedade maranhense do século XIX”, frisou.

Silvana Noely ressaltou ainda que Catharina Mina não só conquistou sua própria liberdade, mas também possibilitou a alforria de outros escravizados por meio de seu trabalho e das relações estabelecidas com membros da elite local.

“Sua influência na sociedade da época, assim como seu empreendedorismo como comerciante, são aspectos que enaltecem sua importância histórica. Mulheres como Catharina Mina desafiaram os limites impostos e, ao considerar a proposta de nomear uma rua em São Luís do Maranhão em homenagem a Catharina Mina, estamos reconhecendo não apenas uma personalidade marcante da história maranhense, mas também celebrando sua resistência, coragem e contribuições para a cidade. Seu legado merece ser preservado e inspirar as gerações atuais e futuras”, finalizou.

IEMA forma quase 1000 estudantes em grande cerimônia

Cricielle Muniz, diretora-geral do Iema.

O Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) celebra, nesta segunda-feira (19), a formatura de 665 estudantes do ensino médio e técnico de quatro unidades distintas: Bacelar Portela, Itaqui Bacanga, São Luís – Centro e Gonçalves Dias. A cerimônia iniciará às 18h no Centro de Convenções da Universidade Federal do Maranhão (Ufma), Campus do Bacanga.

A programação solene contará com a entrega de diplomas, discursos e apresentações culturais. Foram convidados para a cerimônia o governador do Maranhão, Carlos Brandão; o vice-governador, Felipe Camarão; a diretora-geral do Iema, Cricielle Muniz; a presidente da Assembleia Legislativa do Maranhão, Iracema Vale; e diversos gestores.

Composta por 19 turmas, a formatura abrangerá uma variedade de cursos técnicos, incluindo eletromecânica, eletrotécnica, informática para internet, mecânica, soldagem, edificações, eletroeletrônica, portos, eventos, guia de turismo, produção de áudio e vídeo, serviços jurídicos, serviços públicos, enfermagem, estética, nutrição e dietética.

“Este evento representa não apenas a formatura dos estudantes, mas também uma celebração do compromisso do Iema em oferecer oportunidades educacionais que promovem o desenvolvimento do potencial dos indivíduos, respeitando as necessidades locais e as prioridades estratégicas do Maranhão”, pontuou a diretora do instituto, Cricielle Muniz.

Sobre o Iema

O Instituto Estadual de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema) foi criado em 2015 com o propósito de expandir a oferta de educação profissional, científica e tecnológica no Maranhão. A instituição hoje é composta por 34 Iemas Plenos, 26 Iemas Vocacionais e 2 Iemas Bilíngues. O plano de expansão prevê a implementação de mais 15 novos Iemas Plenos em 2024.

Serviço

O quê: Formatura de 665 estudantes do Iema.

Quando: Segunda-feira (19), às 18h.

Onde: Centro de Convenções da Ufma, Campus do Bacanga.