IRONIA – Ponte de 500 metros é tida como “grande avanço” no ‘desgoverno’ Flávio Dino…

Tempo de leitura: 2 minutos

RETRATOS DA MUDANÇA.

Por Abdon Marinho.

O EXTINTO senador Epitácio Cafeteira, apesar de não ser muito estudado, de ter apenas  formação bancária e não ir muito além do ensino médio e nunca ter estudado marketing,  tinha o que os profissionais do ramo chamam de “feeling” – no sentido de percepção, intuição –, extraordinário.

Certa vez, pela eleição de 1994, seu fiel assessor Chico Branco, chegou para ele eufórico com o Jornal o Estado do Maranhão na mão: — Chefe! Chefe! O jornal estar dizendo que estamos crescendo nas pesquisas.

Cafeteira pegou o jornal, sem lê-lo, retrucou: — Pois é, Chico Branco, estamos crescendo como “rabo de cavalo”, para baixo. Não está vendo a sacanagem deste gráfico!?

Durante muitos anos essa “sacada” de Cafeteira sobre o crescimento como “rabo de cavalo” povoou nossas conversas. Ainda hoje, vez por outra, quando encontro Chico Branco, ele rememora o fato: – Abdon, tu ainda lembras do “esporro” que Cafeteria deu por conta do crescimento como “rabo de cavalo”? 

E rimos a valer. 

Vinte quatro anos depois daquela eleição, vejo o governo comunista estadual investir pesado em tudo que possa significar uma mudança em relação ao governo anterior, do grupo Sarney. 

A última polêmica que vi nos meios de comunicação foi a exploração de um “comboio” levando material de construção para uma ponte na Baixada Maranhense, tudo muito bonito, devidamente identificado visualmente. Detalhe: a ponte prometida desde muito, ainda se encontra nas fundações e, pelo ritmo das obras, deve avançar e muito no próximo mandato.

A primeira indagação que me ocorre é: o Maranhão mudou mesmo? Como é possível que a construção de uma simples ponte seja motivo de tanta exploração política? Que usem como “desencanto”, conforme o próprio governador alardeou, que estava “desencantando” a bendita ponte?

Vejam não se trata, sequer, da inauguração da obra – que ainda não saiu do lugar –, mas apenas do material. A ponte a merecer tanto alarido e exploração “ainda na intenção”, não é a que vai ligar a Ponta da Madeira ao Cujupe, com quase 20 km, mas, apenas uma “pontinha”, com cerca de 500 metros, sobre o Rio Pericumã. 

Continue lendo em http://www.abdonmarinho.com/index.php/13-politica/699-retratos-da-mudanca

Comentários

Comentários