Municípios do interior alavancam exportações do Nordeste

Tempo de leitura: 1 minuto

Fortaleza, 01 de março de 2018 – Camaçari (BA), São Luís (MA), São Gonçalo do Amarante (CE), Luís Eduardo Magalhães (BA), Goiana (PE), Ipojuca (PE), Mucuri (BA), Imperatriz (MA), São Francisco do Conde (BA) e Dias d’Ávila (BA). Em ordem decrescente, estes são os 10 municípios nordestinos responsáveis por 53,4% do valor exportado pela Região em 2017. Juntos, eles receberam R$ 8,9 bilhões pelas vendas externas. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, e foram analisados pelo Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste (Etene), área de pesquisas do BNB.

Ao todo, foram 324 municípios nordestinos exportadores, assim distribuídos por Estado: Bahia (117), Ceará (46), Pernambuco (38), Rio Grande do Norte (34), Paraíba (23), Maranhão (20), Piauí (18), Sergipe (15) e Alagoas (13).

Principal exportador do Nordeste, Camaçari respondeu por 24,7% do valor total das exportações da Bahia e por 11,9% do valor total das exportações do Nordeste em 2017, que foi de R$ 16,7 bilhões. Os produtos mais exportados pela cidade foram automóveis de passageiros (30,7%), pasta química de madeira (13,4%) e polímeros de etileno (9,1%).

São Luis, segunda posição no ranking, teve como grande produto de exportação a alumina calcinada, responsável por 96% das vendas externas desse município. Em terceiro lugar nas exportações, ficou São Gonçalo do Amarante, por meio da venda de produtos semimanufaturados de ferro ou aço (93,6%) produzidos pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). O produto é o maior item da pauta exportadora do Ceará.

O critério para as exportações por municípios leva em conta domicílio fiscal da empresa exportadora, ou seja, os produtos contabilizados são de empreendimentos com sede na cidade, independentemente do local onde a mercadoria foi produzida. No que se refere à unidade da federação, o critério para as exportações leva em conta o Estado produtor da mercadoria, o que independe da localização da empresa exportadora.

O estudo completo está disponível no endereço http://bit.ly/2HPtETT

Comentários

Comentários