CASO IDAC – Flávio Dino e o uso exacerbado do discurso de terra arrasada

Tempo de leitura: 2 minutos

Ao tecer comentários sobre a suspeita de fraudes na Saúde do Maranhão, o governador Flávio Dino volta a usar o já cansado discurso de terra arrasada.

No início do mês, a Polícia Federal deflagrou a Operação Rêmora – O caso IDAC é um desdobramento desta – que apurava o desvio de verbas da Saúde no Maranhão. Nesta operação, cinco funcionários que trabalhavam no Instituto de Desenvolvimento e Apoio ao Cidadão (IDAC), foram à sede da Polícia Federal em São Luís, para contar aos investigadores como funcionava a rotina de trabalho na instituição. Eles estão presos desde o início do mês por suspeita de desviar parte dos recursos que seriam utilizados em hospitais públicos do Maranhão. O IDAC é uma organização social responsável por gerenciar esses recursos públicos para os hospitais. Entre elas o presidente do IDAC, que também é presidente do PSDC no Maranhão, Antônio Aragão.

Veja o vídeo da denúncia no Fantástico:

 

Flávio Dino, em entrevista a portais aliados, diz que “em dois anos e meio de governo ninguém jamais acusou qualquer dirigente da Secretaria de Saúde de ser desonesto, o que é uma prova de idoneidade.” Ainda complementa dizendo que a “transição entre o modelo do governo passado e um novo modelo tem ocorrido com várias medidas, uma delas a implantação de uma empresa pública. Sempre que somos informados de irregularidades, agimos imediatamente. Não somos coniventes nem acobertamos erros alheios”.

Erros alheios… Certo, então o que dizer das notas fiscais divulgadas pelo próprio Governo do Estado, antes da última prorrogação do contrato, onde mostram que uma auditoria já havia identificado uma suspeita de superfaturamento de 20% a 30% nas contas do IDAC? De acordo com a reportagem do Fantástico acima, O Instituto firmou contratos de gestão que seriam de 2014 a 2017, ou seja, durante os governos da governadora Roseana Sarney e do atual, Flávio Dino.

Após os depoimentos, a Polícia Federal e a Controladoria Geral da União continuam as investigações.

 

 

 

 

Comentários

Comentários