Piloto da Chapecoense relatou falta de combustível, diz copiloto da Avianca

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Um avião da companhia Viva Colômbia estava pousando no aeroporto de Rionegro, quando piloto da LaMia solicitou prioridade para aterrissar.

Um tripulante da companhia Avianca que estava em uma rota próxima ao voo da Chapecoense afirmou ter ouvido o diálogo entre o piloto da aeronave da LaMia e a torre de controle do aeroporto colombiano de Rionegro, perto de Medellín, segundo os jornais “El Espectador” e “El Tiempo”. Ouça o relato.

Avião acidentado que levava a Chapecoense à Colômbia (Foto: Luis Benavides/AP)

Avião acidentado que levava a Chapecoense à Colômbia (Foto: Luis Benavides/AP)

O copiloto da Avianca Juan Sebastián Upegui relatou que, enquanto uma aeronave da Viva Colômbia estava pousando, de repente chegou o piloto do voo da LaMia e disse: “solicitamos prioridade para aterrissar, temos problemas de combustível. Mas, nesse momento, ele não se declarou em emergência”.

Na sequência, segundo Upequi, a controladora de voos do Aeroporto de Rionegro afirmou ao piloto da LaMia: “Temos um problema, um avião está aterrissando em emergência”.

Ainda de acordo com o copiloto da Avianca, a controladora de Rionegro pediu à tripulação do voo da Avianca 9256 que virasse à esquerda, quando o piloto de LaMia passou por eles.

“Quando ele [piloto da LaMia] iniciou a descida, declarou-se em emergência. Começou a dizer que tinha falha elétrica total e pediu vetores [rota mais rápida para aterrissar] para proceder [a descida]. Ajuda, vetores para alcançar a pista, repetiu”, disse o tripulante da Avianca.

Gilma Úsuga, diretora de comunicações de Avianca, afirmou ao “El Tiempo” que a companhia não iria comentar o relato por se tratar de um áudio pessoal, e não corporativo.

Segundo a Viva Colômbia, o voo FC 8170 apresentou “uma indicação na cabine” que levou o comandante a interromper o trajeto original. A empresa disse, em comunicado, que não chegou a declarar emergência.

O avião pousou à 0h51 em Medellín. Quatro minutos depois, o avião da LaMia com a delegação da Chapecoense desapareceu dos radares do Flight Radar 24, um serviço de monitoramento de voos, quando estava a 33 km do aeroporto.

Corpos das 71 vítimas do acidente com o avião da Lamia ainda estão em Medellín

Mortes
O avião, um Avro RJ-85 da companhia de voos fretados LaMia, levava o time da Chapecoense, jornalistas e convidados para Medellín, onde a equipe jogaria nesta quarta-feira (30) contra o Atlético Nacional, pela partida de ida da final da Copa Sul-Americana.

Ao todo, 77 pessoas estavam na aeronave, sendo 68 passageiros e nove tripulantes. No acidente, morreram 71. Foram resgatados com vida os jogadores Alan Ruschel, Jackson Follmann e Neto, o jornalista Rafael Henzel, a comissária de voo Ximena Suarez e o técnico da aeronave Erwin Tumiri.

Comentários

Comentários